segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Soneto aos sapatos quietos

Van Gogh
Os pés dos sapatos juntos.
Hei-de calçá-los, soltos
e imensos, e talvez rotos,
como dois velhos marujos.

Nunca terão o desgosto
que tive. Jamais o sujo
desconsolo: estando postos,
como eu, em chãos defuntos.

Em vãos de flor, sem o riacho
de um pé a outro, entre guizos.
Não há demência ou fome.

Sapatos nos pés não comem.
Só dormem. Porém, descalço
pela alma, o paraíso.

Carlos Nejar

2 comentários:

  1. que legal esse poema!

    não conhecia o autor...

    ResponderExcluir
  2. Adoro as obras do Van Gogh.
    Lindo poema.

    Tenha um bom dia
    Eu seu Lar

    ♪♫

    ResponderExcluir