terça-feira, 3 de maio de 2011

Tomás lembrava-se dela. O amor. Onde estaria?

Rui Soares
O amor era como a marca pálida deixada por um quadro removido após anos de vida sobre uma mesma parede. O amor produzira um vago intervalo em seu espírito, na transparência dos seus olhos, na pintura envelhecida da sua existência. Um dia, o amor gritara dentro dele, inflamara suas vísceras. Não mais. Mesmo a memória era incerta, fragmentada, pedaços do esqueleto de um monstro pré-histórico enterrados e conservados pelo acaso, impossível recompor um todo íntegro. Trinta anos depois. Duzentos milhões de anos depois [...].

Adriana Lisboa, in: Sinfonia em Branco. Ed. Rocco

5 comentários:

  1. Te mando BEIJOS, E UM ABRAÇO!

    ResponderExcluir
  2. Saudade.... seria esse um nome bonito pra essa marca que o amor deixa.

    ResponderExcluir
  3. Duzentos milhões de anos depois.

    Este é um dos livros mais profundos que já li nos meus 30 anos.
    E o amor, Tomás? Onde estará?
    Esta pergunta é sinal de que perdeu-se...

    ResponderExcluir
  4. "O amor porduzira um vago intervalo em seu espírito..." Nossa , lindo isso ! Por isso te sigo sempre ! Grande Beijo.

    www.vidainversoepoesia.blogspot.com

    ResponderExcluir