sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Travessia

Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças
Vejo aquele tempo com as faces contrárias:
uma hora parece que é agora
e noutra está tudo muito longe.
O que sei é que eu havia aos borbotões.
Aquele tempo é a minha barra.
Passado aquilo, a lugar nenhum
se podia voltar ou chegar.
É uma agonia acalmada atravessar com isso.
O Amor... Nunca me ensinaram. Mas eu soube:
o Amor faz o oposto que Deus no princípio:
ele desfaz os céus e a terra, mistura tudo, confunde.
Até a Deus ele mistura: com O que queima.
Crava tudo em nosso corpo.
O Amor inventa o eterno. E põe na gente as margens.

Raiça Bomfim

4 comentários:

  1. Felicíssimo com seu retorno, e como previsto, com a inspiração expandida. Um beijo carinhoso

    ResponderExcluir
  2. ótimo!
    ficamos fazendo lembrar-nos da mortalidade do amor...

    ResponderExcluir