terça-feira, 18 de junho de 2013

Não posso dizê-lo de outro modo


virá um dia um dia virá um dia
haverá um dia
uma manhã
e teremos o que fomos somos
houve um dia
um delfim
um escabelo um pâmpano no ar
não posso dizê-lo de outro modo

quando me ponho a conversar sobre estas coisas
minha intenção é ser muito claro e muito direto
não posso dizê-lo de outro modo
virá um dia um dia virá um dia
uma manhã
e tudo será muito claro e muito desperto



Edgar Bayley, in: El Día, 1968. Tradução de Renato Rezende. In: Puentes. Poesía argentina y brasileña contemporánea. Selección y ensaio introductorio de Jorge Monteleone. Ed. Fondo de Cultura Económica. Antología bilingue. 

2 comentários: