segunda-feira, 22 de agosto de 2011

O arfar do mistério

Alaya Gadeh
Você deve juntar todas as forças e malas vazias para poder partir em direção ao mistério. Parecerá desmesura de encanto, mas aprende-se que é mais doloroso. Todo mergulho traz consigo o bater seco na água. O afundar, o sufoco.
Um segredo na pressão nos ouvidos, o peito contraído e um quase morrer. Um quase morrer... de coração que se esmaga entre dedos.
Quanto mais fundo, mais apertado. Quanto mais mistério, mais despedaço.

Esse triz de privar o sopro terminando com o soco do fundo. Já sem peito e sem ar, o chão. Um agachar que arremessa a volta. Todos os nervos já estreitados e o buscar louco pelo novo fôlego.
É na subida que te pega o sortilégio: pouca força nas pernas, já não há tona.

Samantha Abreu

2 comentários:

  1. Mergulhos são sempre inesperados...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Partir, ficar, sempre o dilema.

    Linda foto do perfil ;)

    ResponderExcluir