quinta-feira, 9 de junho de 2011

s i l ê n c i o


(79.) O som dos objetos. Tenho certo receio, tenho muito receio de quando som e sentido não se desgrudam, não se desgrudam do mesmo modo que palavra e silêncio. Uma narrativa é, num enclave presente, engavetar o tempo. O tempo do homem é palavrar. Em parte, é outra coisa; em parte, o tempo do homem é o-que-não-se-diz.

Wesley Peres, in: Casa entre Vértebras. Ed. Record

4 comentários:

  1. "um dispositivo de silêncio nos pontos cardiais desta página"...beijo,patricia

    ResponderExcluir
  2. O blog continua bacana;
    visualmente está melhor.
    Um abraço.

    ResponderExcluir