sábado, 22 de janeiro de 2011

Faço quase nada. Comecei a procurar trabalho e começo de novo a me torturar, até que resolvo não fazer programas; então a liberdade resulta em nada e eu faço de novo programas e me revolto contra eles. Tenho lido o que me cai nas mãos. Caiu-me plenamente nas mãos Madame Bovary, que eu reli. Aproveitei a cena da morte para chorar todas as dores que eu tive e as que eu não tive. - Eu nunca tive propriamente o que se chama "ambiente" mas sempre tive alguns amigos.


Clarice Lispector, in: Clarice, de Benjamin Moser / Fragmento da carta para Lúcio Cardoso. Ed. Cosac Naify

4 comentários:

  1. Mas sempre tive alguns amigos.

    Eu também, Clarice :) E isto é f-u-n-d-a-m-e-n-t-a-l,

    ResponderExcluir
  2. Ahh, me deparei com o fragmento dessa carta na biografia de Nádia!

    Mais ainda fustigada para ler Madame!
    ;*

    ResponderExcluir