quarta-feira, 11 de agosto de 2010


É no silêncio que eu vivo, aprenderei outra linguagem? Não há palavras ainda para inventar um mundo novo. Como estou cansado. Paro de cavar, olho a montanha. Os dois picos erguem-se ao longe, hieráticos, com a solenidade de um universo vazio. Foi a voz que aprendi, essa da grandeza e do silêncio, de um mundo primitivo.

Vergílio Ferreira, in: Alegria Breve. Ed. Verbo

2 comentários:

  1. isso é bom pra cacete!
    sugere muitas leituras metalinguísticas!

    adorei!

    ResponderExcluir