domingo, 22 de abril de 2012

O Desterro
[...] O amor não tem portas que possamos abrir e fechar, nem passagens secretas para um sótão onde possamos fazer férias dele. Toma conta de tudo em nós, envolve-nos como um lençol de tédio, sedoso, infindo. Ninguém fala deste tédio sublime, tão contrário à ação e à eficácia, imóvel inimigo do progresso do mundo. Só no trono do sonho, iluminado e funesto, o amor interessa. Prolongada, a vida torna-se demasiado curta e o amor ganha o ritmo da chuva que bate leve, levemente.

Inês Pedrosa, in: Nas Tuas Mãos. Ed. Alfaguara

Um comentário:

  1. A fábula do eterno Desassossego...
    Bela escolha!

    Beijos

    ResponderExcluir