terça-feira, 6 de setembro de 2011

A impossibilidade de organizar de pronto a minha vida leva-me ao desespero de ontem;

sob um dia cinzento e chuvoso, passei horas e horas inteiramente inúteis, distanciado de qualquer sentimento calmo e sensato. A mesma ronda de bares, o mesmo desperdício de energias, o mesmo sono pesado e sem horizontes para acordar hoje com o coração transido de remorso e um grande sentimento de culpa.

Não, a vida assim não é possível. Há muito compreendi isto, e querer continuar esta ilusão de fuga, é nadar em vão num charco de águas lamacentas. O remédio é a paciência, mas de todas as qualidades que me faltam, esta é sem dúvida a de mais alto coeficiente. Tenho de aprender primeiro a saber o que é a paciência e depois empregá-la com resultados positivos - este é o único meio de levar a cabo o plano que tracei e do qual dependem as únicas coisas que para mim contam nesta vida.

Lúcio Cardoso, in: Diário Completo. Ed. José Olympio

5 comentários:

  1. Não é possível, mas a gente rema.

    ResponderExcluir
  2. Tem um selo de presente para você. Um abraço, Yayá. http://selosarteseescritas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Se rema Vanessa, acho que remamos mais do que temos paciência.

    ResponderExcluir
  4. nossa, parece que foi escrito por mim...

    ResponderExcluir