domingo, 17 de outubro de 2010

por decreto

Guermante
tão mais inúteis quanto mais se sucedem
ensolaradas e mudas são as manhãs
de domingo
eu finjo que não te espero
finges tu não nos saber

e a vida segue
a olhos vistos se adelgaça perde o viço
empalidece
sem que haja em toda a medicina uma única
maneira — poção ventosa ou vacina —
que a possa socorrer

exceto talvez abolir — por decreto — de uma
vez por todas todas elas
as mudas e claras e azuis e inúteis
manhãs de domingo.

Márcia Maia

2 comentários:

  1. e as escuras e silenciosas noites de domingo...

    ResponderExcluir
  2. E finjo que não te espero.

    Espero.
    E desespero.

    ResponderExcluir