domingo, 10 de outubro de 2010

Bizarre love triangle

Amanda Cass
É sempre sobre o exercício da aceitação: deixe-os ir, deixe-se esvaziar. Somos ocos afinal. Passamos a vida procurando algo que nos preencha, mas este preenchimento é sempre sazonal. Não adianta negar a própria natureza: somos como as árvores que perdem as folhas ou os rios que secam. É impossível lutar contra o poder de mobilidade do mundo – e dos sentimentos. “tudo aceitar, o que vem e o que foge”; o que vive e o que morre.

E estamos sempre morrendo.

Mas é que estou exausta, meu amor. Sinto vontade de trancar portas e janelas; de construir barragens, nem que seja para ter a falsa sensação de que posso controlar a (nossa) natureza. Quero esticar os braços e colecionar estrelas como se fossem conchas. Quero realizar os meus sonhos. Quero despertar. Quero me deixar preencher pelas mesmas coisas e pessoas. De novo,

de novo
e
de novo.

Daniela Lima

3 comentários:

  1. Aaah meu deus, vou chorar... como vc acerta sempre?!

    ResponderExcluir
  2. "... do outro a luta, força e coragem pra chegar no fim... e o fim é belo e incerto, depende de como vc vê... o novo e o belo,

    >>>>a fé vc deposita em vc e só...<<<" (8)

    =D

    ResponderExcluir