segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Um poema de amor

Não sei onde estás, se falas
ou se apenas olhas o horizonte,
que pode ser apenas o de uma
parede de quarto. Mas sei que
uma sombra se demora contigo,
quando me pergunto onde estás:
uma inquietação que atravessa
o espaço entre mim e ti, e
te rouba as certezas de hoje,
como a mim me dá este poema.

Nuno Júdice, in: O Movimento do Mundo

3 comentários:

  1. Lindoooooooooo demais seu blog.
    Me encanto aqui!

    ResponderExcluir
  2. Lindoooooooooo demais seu blog.
    Me encanto aqui!

    ResponderExcluir