terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Pudesse eu

 
Pudesse eu não ter laços nem limites
Ó vida de mil faces transbordantes

Para poder responder aos teus convites

Suspensos na surpresa dos instantes.


Sophia de Mello Breyner Andresen, in: Poesia I, 1944
. / Poemas Escolhidos. Seleção Vilma Arêas. Ed. Companhia das Letras

Nenhum comentário:

Postar um comentário