quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Lilya Corneli
Mas também, às vezes, a Noite é outra: sozinho, em postura de meditação (será talvez um papel que me atribuo?), penso calmamente no outro, como ele é: suspendo toda a interpretação; o desejo continua a vibrar (a obscuridade é transluminosa), mas nada quero possuir; é a noite do sem proveito, do gasto sutil, invisível: estoy a escuras: eu estou lá, sentado simples e calmamente no negro interior do amor.

Roland Barthes, in: Fragmentos de Um Discurso Amoroso. Ed. Francisco Alves

2 comentários:

  1. Um dos nomes que figuram minha lista de grandes autores

    e, caramba, eu AMEI o título do seu blog, drummond é o cara
    =*

    ResponderExcluir