quarta-feira, 27 de abril de 2011

Aqui é dor, aqui é amor, aqui é amor e dor. Onde um homem projeta seu perfil e pergunta atônito: em que direção se vai?

Adélia Prado, in: O Coração Disparado. Ed. Record

6 comentários:

  1. vou te seguir, adorei aqui.

    ResponderExcluir
  2. Gosto muito! :}


    sensibilidade + simplicidade = poesia de Adélia e Drummond, claro... mais umas coisitas a mais! ^^

    ResponderExcluir
  3. Também estou assim perdida, entre a dor e o amor.
    às vezes acho que são a mesma coisa.
    :/
    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Adélia tinha uma singularidade única... E Caio era singularmente (tbém), ligado a Ela,



    Bjka

    ResponderExcluir